Outubro Rosa

Outubro Rosa: mês de conscientização do câncer de mama

A conscientização das pessoas em relação ao câncer de mama passou a emergir a partir da década de 90, em Nove Iorque. A Fundação Susan G. Komen for the cure foi responsável por organizar uma corrida, cujo intuito era arrecadar dinheiro para melhor divulgar informações a respeito da doença, onde todos os participantes usaram, na altura do peito, um laço cor de rosa. Não se fazia ideia, na época, que os laços teriam tamanha importância para o movimento. 

A campanha do outubro rosa teve sua primeira aparição no Brasil no ano de 2002 quando o Mausoléu do Soldado Constitucionalista, também denominado de Obelisco do Ibirapuera, situado no estado de São Paulo, recebeu uma iluminação cor de rosa durante todo o mês de outubro. A partir de então, um grupo de mulheres que já intencionavam trazer este movimento para o Brasil se juntaram a uma empresa de cosméticos estrangeira e batalharam arduamente para a proliferação da campanha pelos demais estados brasileiros.

O outubro rosa tem por objetivo alertar a população brasileira, sim, os homens também são acometidos pelo câncer de mama, em relação aos exames periódicos que auxiliam na elaboração de diagnósticos precoces, de possíveis doenças, que assombram as mulheres do Brasil, sendo o câncer de mama a mais grave dentre todas. Ademais, a campanha também visa incentivar o autoexame das mamas. Esta técnica pode ser ensinada por um médico profissional, onde a mulher consegue, através do toque, identificar seu houver alguma espécie de caroço na região analisada.  

Esse alarido todo em relação ao câncer de mama é realmente necessário?

Infelizmente, sim! O câncer de mama é um dos principais tipos de câncer, assim como o mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, ficando atrás, somente, do câncer de pele não melanoma. Embora os médicos reconheçam que sejam raros, os casos em que o homem desenvolva câncer de mama são existentes. Contudo, há uma possibilidade de cura muito mais alta do que nas mulheres, principalmente quando o câncer é descoberto em um estágio precoce.

Então homens e mulheres têm o mesmo câncer?

Sim e não! O câncer de mama, assim como outras doenças, possui variações. À vista disso, há evolução vai variar de acordo com o organismo biológico de um individuo para o outro, do mesmo modo que o comportamento distinto de cada tipo de tumor – podendo este se desenvolver de forma extremamente rápida ou gradual.

 E o que é câncer de mama?

O câncer de mama se origina graças a uma multiplicação de células anormais no tecido mamário, estas constituem um tumor maligno. Em seu estágio inicial, o câncer provavelmente passa despercebido durante um autoexame, mas com o tempo, pode aumentar de tamanho e progredir para outros locais do corpo humano.

Mesmo que nas fases iniciais o câncer de mama não apresente quaisquer sintomas nas mulheres e nos homens, o sinal mais importante que a pessoa precisa se ater está na presença de nódulos endurecidos enquanto efetua um autoexame. Além desses pequenos tumores, é possível que a região apresente vermelhidão, dor e até mesmo secreção pelos mamilos.

Tem cura?

Mais é claro! Tudo vai depender do tipo de câncer que a pessoa tem e em qual estágio foi detectado, pois quanto mais cedo é iniciado o tratamento, maiores são as chances de cura.

É de suma importância que as mulheres realizem exames periódicos como formas de prevenção.

Que exames são esses que podem me ajudar a prevenir o câncer de mama?

A forma mais eficaz de se prevenir contra o câncer de mama é com a realização periódica de dois exames: mamografia e o autoexame. A mamografia é um exame que deve ser realizado anualmente por todas as mulheres que estejam com 40 anos de idade ou mais. O autoexame é mais tranquilo, a mulher pode efetuar essa técnica em si mesma, em casa, mensalmente 03 ou 05 dias após a menstruação.

 

Esta esperando o que para agendar sua consulta com um de nossos especialistas do Centro Médico Matsumoto? Sua saúde é nossa prioridade. Faça sua parte e nos ajude a proliferar esta campanha!

Compartilhe:
Comentários